Construção Sustentável


Construção Sustentável

Construção sustentável é geralmente usada para descrever a aplicação do desenvolvimento sustentável para a indústria da construção. A indústria é definida como todos os que produzem, desenvolvem, planejam, projetam, constrói, alteram ou mantêm o ambiente construído e incluem fabricantes e fornecedores de materiais de construção, bem como clientes e ocupantes de uso final.

Clientes e ocupantes de uso final também têm papéis fundamentais a desempenhar no fornecimento de construção sustentável. A CIB aponta a indústria da construção como o setor de atividades humanas que mais consome recursos naturais e utiliza energia de forma intensiva, gerando consideráveis impactos ambientais.


Além dos impactos relacionados ao consumo de matéria e energia, há aqueles associados à geração de resíduos sólidos, líquidos e gasosos. Estima-se que mais de 50% dos resíduos sólidos gerados pelo conjunto das atividades humanas sejam provenientes da construção. Tais aspectos ambientais, somados à qualidade de vida que o ambiente construído proporciona, sintetizam as relações entre construção e meio ambiente.

Na busca de minimizar os impactos ambientais provocados pela construção, surge o paradigma da construção sustentável. No âmbito da Agenda 21 para a Construção Sustentável em Países em Desenvolvimento, a construção sustentável é definida como: “um processo holístico que aspira a restauração e manutenção da harmonia entre os ambientes natural e construído, e a criação de assentamentos que afirmem a dignidade humana e encorajem a equidade econômica”. No contexto do desenvolvimento sustentável, o conceito transcende a sustentabilidade ambiental, para abraçar a sustentabilidade econômica e social, que enfatiza a adição de valor à qualidade de vida dos indivíduos e das comunidades.

Os desafios para o setor da construção são diversos, porém, em síntese, consistem na redução e otimização do consumo de materiais e energia, na redução dos resíduos gerados, na preservação do ambiente natural e na melhoria da qualidade do ambiente construído. Para tanto, recomenda-se:

  • Mudança dos conceitos da arquitetura convencional na direção de projetos flexíveis com possibilidade de readequação para futuras mudanças de uso e atendimento de novas necessidades, reduzindo as demolições;
  • Busca de soluções que potencializem o uso racional de energia ou de energias renováveis;
  • Gestão ecológica da água;
  • Redução do uso de materiais com alto impacto ambiental;
  • Redução dos resíduos da construção com modulação de componentes para diminuir perdas e especificações que permitam a reutilização de materiais.  Fonte: Ministério do Meio Ambiente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *